Pesquisar este blog

Translate

sábado, 26 de abril de 2014

AutoCAD #23: Cortar e Extender


Depois de muito tempo mexendo com o autocad a gente acaba se esquecendo de como foi difícil aprender e entender alguns comandos, e algumas vezes em deparo com iniciantes do autocad, e as vezes alguns veteranos que não se atualizaram nas novas versões e acabam fazendo que comando corriqueiros e de nível básico virem assunto para pensar numa publicação.

Ao longo das versões do autocad esses comandos que cortam e estendem as linhas do seu desenho, foi ganhando algumas atualizações, mas também foi deixando para trás alguns vícios.

Os dois comandos tem a mesma lógica de operação, sendo 3 modos de executá-la.
Para utilizar esses comandos é necessário entender a sua lógica de operação e, assim, entender 2 coisas, uma é a linha de referência, e a outra é a linha modificada.

A Linha de Referencia é o objeto ou linha que será a referência de corte ou extensão da linha que se quer modificar, cortar ou estender.
No caso do corte (trim) esta linha funciona como uma linha de corte, e deve atravessar a linha que deseja ser cortada
No caso da extensão (extend) a linha funciona como um limite de extensão, e deve estar a uma certa distância da extremidade da linha que se queira estender.

A Linha Modificada é a linha que sofrerá uma modificação.
Para o corte terá um trecho de sua linha, nas extremidades ou no meio dela excluída, limitadas pela linha de referência.
Para a extensão será esticada para uma de suas extremidades até o limite da linha de referência.





Assim segue-se para os modos de execução:
1- O comando exige 2 seleções, primeiramente da linha de referência e seguidamente a linha a ser modificada
Assim no corte seleciona-se as linhas ou a linha de referência de corte, e em seguida o trecho da linha ou das linhas a serem cortadas.
E na extensão seleciona-se a linha de limite para a extensão, e em seguida a extremidade da linha ou das linhas que serão estendidas até a linha limite.

2- O comando exige 2 seleções como foi dito, mas por questão de vício alguns usuários não consegue ou não tem paciência em escolher as melhores linhas de referência e acabam selecionando o desenho inteiro, e na segunda seleção para as linhas modificadas, fica aquela sequência de cliques nos trechos e extremidades, a serem cortadas e estendidas, mas isso acaba deixando um trabalho porco e peludo (clique para postagem anterior)

3- E para ajudar os viciados e os certinhos existe a terceira solução, onde seguindo a sequência das 2 seleções, basta simplesmente pular a primeira seleção clicando enter novamente sem clicar em nenhuma linha de referência e já entrando na seleção de linha modificada, o autocad já considera que todas as linhas do desenho serão linha de referência e assim basta somente clicar nos trechos para cortar ou nas extremidades para estender.

Vale lembrar também que em versões antigas a seleção em window e crossing, não vale para esses comandos, mas basta digitar fence (cerca) no momento da seleção de linhas modificadas, que clicando dois pontos de uma linha imaginária atravessando as os trechos de linhas a serem cortadas ou atravessando as extremidades das linha as serem estendidas. Mas se a sua versão é mais atual abuse das seleções em window e crossing.

* escrita livre
link de outras dicas de AutoCAD


CADFREELA #41: Relacionamento Profissional

A cada dia que passa a gente aprende uma lição, e destas lições a gente corre para compartilhar com os colegas.

Assim como qualquer relacionamento temos os momentos bons e maus.
Mas no campo profissional quando está tudo bem quer dizer que os lucros estão em alta e o trabalho está fluido de maneira tranquila, mas quando está mal aí corre-se o risco de perder um trabalho, não acontecer nenhum ganho, e perder possíveis novos contatos.

Sendo assim acho que deveríamos estabelecer algumas regras de conduta, não é porque o trabalho é freelancer, que é informal, que é um contrato de boca, que tem que ser bagunça.

1- Aquela frase o cliente tem razão, não funciona nessa área, afinal muitos dos clientes ganham as nossas custas, então deve se estabelecer uma relação profissional onde o respeito é mútuo, tipo parceria, então ninguém é superior ao outro, cada um faz o seu trabalho dentro daquela parceria e todos ganham conforme o trabalho que desenvolveu ou o contrato estabelecido.

 2- Colegas de profissão, ou seja, outros freelancer, são concorrentes, e por mais que todos precisem, nem sempre oferecer sua ajuda a outro profissional é agradável, o seu cliente normalmente é um outro profissional que necessita de auxílio com desenhos, e provavelmente um outro cadista não é essa pessoa, essa pessoa deve ser alguém que não tenha habilidade ou disponibilidade para desenhar, ou tenha a enorme habilidade de conquistar mais trabalho que consegue realizar.
3- Espaço de trabalho dos cadistas freelancer normalmente não é um espaço normal de trabalho, como um cantinho de sua casa, ou da casa de um parente, ou numa mesa de um restaurante, sendo assim deve-se haver limites para utilização, como se o seu número de telefone deve ser compartilhado, se é permitido receber pessoas relacionado ao seu trabalho, se o seu horário é 24 horas por dia e 7 dias por semana ....











4- Não sei se é comum estabelecer um contrato formal de trabalho, mas deve-se ao menos estabelecer um contrato de boca confiável, onde ambas as partes tem direitos e deveres, e ninguém se senta lesado, normalmente o nosso dever é entregar um serviço de desenho conforme o pedido, e nosso direito é ser remunerado por este serviço sem graves atrasos.
 5- Pessoas que não faze parte do seu trabalho, como seus parentes ou outras pessoas que dividem o mesmo espaço que o seu no momento que você estiver em serviço, precisam estar cientes que você não está disponível naquele momento, afinal eles devem e podem ser um apoio para o bom funcionamento do seu trabalho, ou não te atrapalhando ou sendo um ajudante, nem que seja pra te oferecer um copo d'água.










6- RESUMINDO RESPEITAR O LIMITE DO OUTRO.


CADFREELA #40: Custo > Preço > Valor

Após assistir uma palestra:
"Saber é Crescer - Como cobrar honorários" de Ricardo J. Botelho (ricardo@ricardobotelho.com.br tel: 11-3035-4888)
 
http://www.adforum.com.br/

Vejo que como cadista freelancer o tema é bastante interessante e um questão que está na cabeça de muita gente que tem como produto a prestação de serviço.

Como cobrar por um serviço em que o cliente não consegue mensurar o que está pagando e pior que o próprio prestador de serviço não sabe explicar isso.

Na palestra que vale a pena conferir as próxima, no caso essa foi uma amostra grátis de um conjunto de palestra que trabalham como workshop detalhando cada tema citado.

Um dos itens foi a partição do pagamento em 3 formas de começar a calcular e estimar quanto cobrar.

CUSTO
Diz do quanto custa o seu trabalho, devendo neste caso detalhar o máximo possível o número de coisas que se gasta para manter e executar o seu serviço, considerando que mesmo sendo freelancer e acredito que na maioria (se não for praticamente todos os casos) um trabalho informal, considerar os custos de um trabalho formal, afinal a meta é tornar o seu serviço respeitado e valorizado.


- Impostos = não saberia dizer quais são e quanto custa imposto para cadista freelancer, algo como INSS, Taxa na prefeitura, Sindicato, Conselho de Classe, contador, ...
- Aluguel = mesmo que seja dos 4m² que utiliza dentro da sua casa
- Despesas = luz, água, telefone, alimentação, transporte, ...
- Salário ou Pró-labore = Salário dos funcionários da empresa no caso você, ou até aquele parente que atende o telefone.
- Depreciação e reserva = manutenção ou troca de equipamentos, como computador, impressora, carro, ...
- Diversos = aquele dinheiro que você precisa para todas as coisas que você acaba gastando por conta do seu serviço, como papel, tinta de impressora, trena, réguas, calculadoras, pastas, cafezinho ...
- TENTE NÃO SE ESQUECER DE NADA

Desta soma terá um primeiro número que será dividido pelo número de horas de um trabalhador por mês e terá um valor de hora de trabalho, que varia de 160 (para 40 horas semanais) a 176 (para 44 horas semanais) horas por mês.

PREÇO
Este será aquele número que dará para para o seu cliente, que não necessariamente será maior que o seu custo, já que vai depender do valor de mercado, do nível de qualidade do seu serviço, e considerando o seu histórico de trabalho.





VALOR
Anteriormente apareceu estes nome em valor de hora de trabalho e valor de mercado.
E acrescentando quanto o seu cliente acha que você vale.
Esse foi um tema citado na palestra deixando uma questão como tornar o serviço valorizado?










Marcadores